terça-feira, 20 de março de 2012

BRASILEIRO É ESCOLHIDO O MELHOR PROFESSOR EM MIAMI

                                                   
Um brasileiro está fazendo história nos EUA com um projeto de inclusão em escolas: Alexadre Lopes recebeu o prêmio de Melhor Professor do Ano de Miami-Dade.

Ele foi escolhido entre 24 mil professores de todas as escolas públicas do condado. O processo de seleção é longo e incorpora diversos aspectos do professor, fora e dentro da sala de aula, desde o seu método de ensino à filosofia e politica educacional.

“É um orgulho, uma honra muito, muito grande deles terem escolhido neste país um brasileiro nascido e criado no Brasil”, diz ele. “Foi um processo intenso de seleção. “Não foi só pré-escola, não foi só no departamento de crianças especiais, não foi só entre os latinos. Eu competi em termos de igualdade com todos os professores daqui”.

Lopes ganhou um Toyota novinho, US$5.500 e uma bolsa de estudos na Nova University – que ele abriu mão pois já está cursando o doutorado na Florida International University.

Mas para ele, o mais importante foi receber o troféu, que simboliza o reconhecimento do seu trabalho. E as homenagens não param. Hoje, Alexandre vai receber uma homenagem de Bárbara J. Jordan, representante de um dos condados de Miami-Dade.

“Levou um bom tempo para conseguir o respeito pelo que eu faço, e acho que foi muito importante ganhar esse titulo, não só por mim mas, por todos os outros professores que trabalham na pré-escola”, diz Lopes emocionado.

Hoje aos 43 anos, o carioca é, agora, o porta-voz de educação de todo o condado de Miami-Dade. O próximo passo é o prêmio estadual com mais 71 concorrentes. Se ganhar, entra como finalista ao prêmio nacional, que será anunciado no inicio de 2013.

Seu programa de inclusão é composto de dois grupos diários de 12 crianças, de 3 a 5 anos – um de manhã e outro no inicio da tarde. Em cada grupo, há oito que exibem desenvolvimento regular da idade e quatro com algum tipo de desordem que compromete o desenvolvimento, como, por exemplo, o autismo.

“As crianças com autismo estão integradas a um ambiente onde elas tem a capacidade de interagir socialmente com crianças fora do espectro autista”, diz ele. “É uma sala de aula normal, onde temos alunos com autismo e alunos sem autismo. Não são diferenciados em absolutamente nada”.

Numa rotina extremamente bem estruturada, Lopes, apaixonado pela música – e um estudioso de piano desde cedo, usa a sonoridade e a melodia como técnicas de ensino – na comunicação, compreensão e aprendizado de palavras e respeito mútuo.

Na hora que entram na sala de aula, as crianças dão as mãos e formam uma roda, cantando, “we are glad you are here. Hello to you and me” (“estamos felizes por estarem aqui. Olá para você e para mim”), fazendo com que todos se sintam bem-vindos e unidos. Lopes usa tambores e canções para ensinar conceitos, como tolerância e o controle emocional: “When you are mad, take a deep breath and relax” (“quando está bravo, respira fundo e relaxa”). (Veja vídeo no fim da coluna.)

“O que enfatizamos aqui, que de repente não é tão enfatizado em outras salas de aula, — mas que na minha opinião deveria ser enfatizado em todos os lugares — é o ensino da interação social: como lidar com uma pessoa, pegar sua atenção, olhar no olho daquela pessoa, chamá-la pelo nome”, diz o carioca, que atribui parte do seu sucesso ao fato de ser brasileiro – não só pela sua musicalidade mas pela forma que se relaciona com as pessoas.

“Eu acho que faço com que cada um se sinta especial, e isso é importante”, diz ele. “Eu acho que o brasileiro tem isso, quando quer, de realmente mostrar ao mundo do que ele é capaz”.

Lopes nunca se imaginou trabalhando na área de educação. Nascido e criado em Petrópolis, o carioca se formou em comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e trabalhava em companhias aéreas. Sempre gostou muito de viajar, e em 1995, se mudou para Miami. Aqui, como comissário de bordo, na época pela United Airlines, fazia rotas para a América Latina e servia como intérprete de português e espanhol. Com os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, as companhias aéreas tiveram muitos problemas financeiros, e a United ofereceu um pacote de benefícios para quem se afastasse. Lopes aceitou imediatamente, e retomou os estudos. Validou em Miami seu diploma do Brasil e começou mestrado em “Educação Especial” na Universidade de Miami, com foco em crianças autistas, rumo a um trabalho sério que, está rendendo frutos. 

FONTE:
Fonte: Site IG
Escrito por Martinha
Extraído do site: http://www.maceioagito.com.br/index.php/atualidades/mundo/269-brasileiro-e-escolhido-melhor-professor-do-ano-em-miami

E O FUTURO? A MENINA QUE CALOU O MUNDO POR 6 MINUTOS

video
O vídeo é de 1992 e mesmo assim atualizadíssimo. Façamos cada um a nossa parte, já é o começo.

O PISO SALÁRIO DO PROFESSOR: DESABAFO!


O Salário do professor vai aumentar será? quanto? 22% = R$ 1.450,86, mas um dia após a notícia, prefeitos do Brasil inteiro foram até Brasília, reclamar do valor, pois não há condições de pagar esse valor.

Os melhores exemplos temos todos os dias, basta assistir os telejornais que vemos para onde está escoando a educação e o respeito! 


Triste história de um Professor

Porto Alegre (RS), 16 de julho de 2011

Caro Juremir (CORREIO DO POVO/POA/RS) Meu nome é Maurício Girardi. Sou Físico. Pela manhã sou vice-diretor no Colégio Estadual Piratini, em Porto Alegre, onde à noite leciono a disciplina de Física para os três anos do Ensino Médio.   Pois bem, olha só o que me aconteceu:   estou eu dando aula para uma turma de segundo ano. Era 21/06/11 e, talvez, “pela entrada do inverno”, resolveu também ir á aula uma daquelas “alunas-turista” que aparecem vez por outra para  “fazer uma social”.  Para rever os conhecidos.
Por três vezes tive que pedir licença a mocinha para poder explicar o conteúdo que abordávamos. Parece que estão fazendo um favor em nos permitir um espaço de fala.
Eis que após insistentes pedidos, estando eu no meio de uma explicação que necessitava de bastante atenção de todos, toca o celular da aluna, interrompendo todo um processo de desenvolvimento de uma ideia e prejudicando o andamento da aula. Mudei o tom do pedido e aconselhei aquela menina que, se objetivo dela não era o de estudar, então que
procurasse outro local, que fizesse um curso à distância ou coisa do gênero, pois ali naquela sala estavam pessoas que queriam aprender' e que o Colégio é um local aonde se vai para estudar. Então, a “estudante” quis argumentar, quando falei que não discutiria mais com ela.  Neste momento tocou o sinal e fui para a troca de turma. A menina resolveu ir embora e desceu as escadas chorando por ter sido repreendida na frente de colegas. De casa, sua mãe ligou para a Escola e falou com o vice-diretor da noite, relatando que tinha conhecidos influentes em Porto Alegre e que aquilo não iria ficar assim. Em nenhum momento procurou escutar a minha versão nem mesmo para dizer,
se fosse o caso, que minha postura teria sido errada. Tampouco procurou a diretoria da Escola.

Qual passo dado pela mãe?  Polícia Civil!... Isso mesmo!... Tive que comparecer no dia 13/07/11, na  8.ª (oitava Delegacia de Polícia de Porto Alegre) para prestar esclarecimentos por ter constrangido (““?”) uma adolescente (17 anos), que muito pouco frequenta as aulas e quando o faz é para importunar, atrapalhar seus colegas e professores'. A que ponto que chegamos? Isso é um desabafo!... Tenho 39 anos e resolvi ser professor porque sempre gostei de ensinar, de ver alguém se apropriar do conhecimento e crescer. Mas te confesso, está cada vez mais difícil.

Sinceramente, acho que é mais um professor que o Estado perde. Tenho outras opções no mercado. Em situações como essa, enxergamos a nossa fragilidade frente ao sistema. Como leitor da tua coluna, e sabendo que abordas com frequência temas relacionados à educação, ''te peço, encarecidamente, que dediques umas linhas a respeito da violência que é perpetrada contra os professores neste país''. Fica cristalina a visão de que, neste país:
1º - NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES                  
2º - NÃO PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO
3º - AFINAL, PARA QUE SER UM PAÍS DE 1° MUNDO SE ESTÁ BOM ASSIM
Alguns exemplos atuais:
· Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês. Homenageado pela “Academia Brasileira de Letras"...
· Tiririca: R$ 36.000,00 por mês.   Membro da “Comissão de Educação e Cultura do Congresso"...
TRADUZINDO: SÓ O SALÁRIO DELE, PAGA 30 PROFESSORES. PARA
AQUELES QUE ACHAM QUE EDUCAÇÃO NÃO É IMPORTANTE: CONTRATE OS POLÍTICOS PARA DAR AULAS PARA SEU FILHO.
Um funcionário da empresa Sadia (nada contra) ganha hoje o mesmo salário de um “ACT” ou um professor iniciante, levando em consideração que, para trabalhar na empresa você precisa ter só o fundamental, ou seja, de que adianta estudar, fazer pós e mestrado?  Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00… Moral da história: Os professores ganham pouco, porque “só servem para nos ensinar coisas inúteis” como: ler, escrever, pensar, formar cidadãos produtivos, etc., etc., etc...
SUGESTÃO: Mudar a grade curricular das escolas, que passariam a ter as seguintes matérias:
1 - Educação Física: Futebol
2 - Música: Sertaneja, Pagode, Axé, Funk (nada contra)
3 - História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira; Biografia dos  Heróis do Big Brother; Evolução do Pensamento das "Celebridades”
4 - História da Arte: De  Carla Perez  a  Faustão
5 - Matemática: Multiplicação fraudulenta do dinheiro de campanha
6 - Cálculo: Percentual de  Comissões e Propinas
7 - Português e Literatura?... Para quê?...
8 - Biologia, Física e Química: Excluídas por excesso de complexidade.
Está bom assim? ... Eu quero mais!...
ESSE É O NOSSO BRASIL...
Vejam o absurdo dos salários no Rio de Janeiro (o que não é diferente do resto do Brasil)
BOPE - R$ 2.260,00... Para  ... Arriscar a vida;
Bombeiro - R$ 960,00.....................para  ....... Salvar vidas;
Professor - R$ 728,00.....................para  ........ Preparar para a vida;
Médico - R$ 1.260,00......................para  ....... Manter a vida;
E o Deputado Federal? - R$ 26.700,00 (fora as mordomias, gratificações, viagens internacionais, etc., etc., etc) ............. Para FERRAR com a vida de todo mundo, encher o bolso de dinheiro e ainda gratificar os seus “bajuladores” apaniguados naquela manobrinha conhecida do “por fora vazenildo”!)

Fonte: Foto extraida do google imagens
Texto: Enviado por colaboradores

terça-feira, 30 de agosto de 2011

EDUCAR OS FILHOS COM AUTORIDADE E NÃO AUTORITARISMO



 
Leonardo Meira da Redação da Canção Nova preparou essa matéria e lendo achamos muito interessante pra vocês, pais, educadores e escolas.
Veja e ouça a entrevista completa pelo link:  http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=282214



Educar os filhos com autoridade, e não autoritarismo, é um dos principais desafios diante dos quais os pais se deparam no processo de formação dos pequenos.

Ter autoridade implica desfrutar de alguma forma de comando ou poder sobre outras pessoas, característica de alguém que exerce o direito de se fazer obedecer. Já o autoritarismo diz respeito ao exagero, ao uso desproporcional de força, ao fim do diálogo, à intimidação ou mesmo humilhação, a todo um sistema ou ideologia totalitária.

Crianças formadas de maneira sadia precisam de pais que se filiem à primeira opção e saibam exercer de modo correto a autoridade que lhes é própria, em função dos seus papéis dentro de casa.

"No ambiente doméstico, a autoridade está relacionada ao respeito e consideração aos pais por parte de seus filhos, ligada aos laços sanguíneos, ao fato de que os pais, além de progenitores, se responsabilizam durante toda a infância e adolescência pela formação, valores, educação e preparação para o contato com o mundo externo, além dos sentimentos fortes que os unem", esclarece o doutor em Educação pela PUC-SP, João Luís Machado.

Por sua vez, a psicóloga e coordenadora do setor de Clínica e Pesquisa do Departamento de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientae, Adela Stoppel de Gueller, lembra que a pessoa investida de autoridade "se ocupa de fazer cumprir aqueles valores morais nos quais acredita, que lhe foram transmitidos por seus antecessores e que no presente toma como próprios. Para a criança, os pais são as primeiras figuras de autoridade e, durante muito tempo, as mais importantes. Ao longo da primeira infância, os pais vão transferindo esse direito para avós, professores, médicos, etc. A criança começa a ir à escola quando está pronta para reconhecer nos educadores figuras de autoridade, além das de seus pais".
 
Reflexos - Nas famílias em que prevalece o diálogo e a autoridade é percebida de forma natural, as crianças aprenderão a utilizar em suas outras relações, fora do âmbito familiar, as ferramentas da compreensão e do entendimento. "Nesse sentido, reitero a necessidade de que a argumentação deve ser sempre bem feita, clara e evidenciar a situação, os motivos da conversa, as questões em pauta, os problemas discutidos e as alternativas de solução", opina João Luís.

Sustentar a autoridade implica um compromisso ético e de muita responsabilidade acerca das ações dos adultos.

"Ter autoridade com os filhos decorre da seriedade que os pais têm consigo e entre si mesmos. Quando os pais sustentam a autoridade, estão transmitindo aos filhos o valor da responsabilidade e do compromisso, e é isso que permitirá que, um dia, seus filhos possam exercer o lugar de pais. Isso quer dizer que a autoridade está estreitamente ligada à transmissão de uma geração a outra e, por isso, é o canal por onde se transmitem os valores  do passado para o futuro. A autoridade apazigua as crianças porque transmite firmeza e segurança. Permite um questionamento que induz à reflexão, ou seja, induz a criança a pensar  sobre a ordem das coisas", explica Adela.

Por outro lado, famílias que são local de embates frequentes tendem a criar pessoas igualmente agressivas, repressoras e autoritárias em outros espaços e situações.

"Esta tônica infeliz, de agressões e autoritarismo, poderá, inclusive, levar à deterioração dos laços familiares e ao afastamento dos membros da família", diz o doutor João Luís. "O autoritarismo está  mais preocupado com o tempo presente, com o controlar uma situação atual. Por isso, exige que os pais tomem medidas como castigos ou punições que tem valor nesse momento, mas muitas vezes não têm efeito duradouro e, por isso, exigem ser repetidas. Pode ter como consequência uma submissão passiva ou uma rebeldia recorrente", esclarece a doutora Adela.
 
Recuperação - E será possível para os pais recuperar a autoridade em lares nos quais tudo já está caótico e as relações são desrespeitosas? A regra é nunca perder a esperança.

"Algumas pessoas advogam que devemos zerar as relações, recomeçar mesmo. Pode ser uma boa alternativa esse recomeço, mas dependerá muito das pessoas acreditarem nisso. As cicatrizes e dores permanecem e qualquer recaída pode ser fatal. É preciso consciência, que se estabeleça um acordo coletivo, que as pessoas queiram muito, percebam que, além das diferenças, deve prevalecer o amor e os fortes sentimentos que as unem. É possível, sim, superar qualquer diferença quando o que de fato une as pessoas é um sentimento como o amor", acredita João Luís.

Esse não é um processo fácil e não há soluções prontas. Tudo exige tempo e trabalho. "Não há nada mais delicado nas relações humanas que a confiança. Quando as crianças nascem, dão um voto de confiança a seus pais. Eles têm que saber que esse é um presente precioso que seus filhos lhes deram. Se o perdem, terão um trabalho enorme para recuperá-lo. O que os pais terão que conseguir é que seus filhos voltem a acreditar na palavra deles. Às vezes, nesses casos, é necessário que um profissional intervenha para ajudar nesse reestabelecimento", diz Adela.

O que fazer - O diálogo deve ser a palavra de ordem na mediação dos inevitáveis conflitos ou diferenças de opinião que surgirem. Com base na opinião dos especialistas João Luís e Adela Stoppel, confira algumas dicas do que deve ser feito para exercer a autoridade:

 – pais educam pelo exemplo. Assim, o diálogo começa pela forma de relação entre o casal. O respeito mútuo assumido de forma honesta e franca diante dos filhos é a forma primordial de estabelecer para as crianças e adolescentes que é deste modo que se superam as divergências;
 – o diálogo assume tons variáveis de acordo com a maior ou menor ênfase que se pretende dar aos assuntos em discussão. Algumas vezes, a conversa tende a ser mais tensa ou dura. No entanto, não se pode perder de vista que, por mais sério e grave que seja o caso, as pessoas envolvidas nesta discussão são pais e filhos e que, dessa forma, em nenhum caso deve haver violência ou imposição, autoritarismo;
 – deve prevalecer a clareza das informações, o direito de os filhos se manifestarem, de apresentarem o seu lado, de se defenderem;
 – pais que tem autoridade transmitem segurança para o filho. É importante que a criança saiba que há alguém que ensina o que se pode fazer e o que é proibido;
 – a autoridade apoia-se no poder da palavra, ou seja, que a palavra tenha valor de ato e de promessa. A criança confia na autoridade de seus pais quando verifica que eles cumprem o que dizem e fazem o que prometem. As crianças buscam confirmar isso de forma recorrente;
 – a palavra não precisa ser dita a cada vez. Para um pai que tem autoridade, só com seu olhar a criança já entende que está fazendo algo que não devia. O olhar diz algo como: "Já lhe disse que...".

O que não fazer - De acordo com a psicóloga Adela, o autoritarismo instala-se no lar quando, por algum motivo, a autoridade perdeu sua base. "É geralmente uma tentativa de reinstaurar a autoridade e que, geralmente, fracassa, porque a sustentação simbólica da autoridade não está funcionando bem". Veja o que buscar não fazer, sob pena de se tornar um pai autoritário e não com autoridade:

 – o pai não deve desautorizar a mãe na frente da criança, ou vice-versa. A autoridade passará a ser questionada pelas crianças, pois parecerá relativa. essa relatividade não dá confiança suficiente para a criança;
 – atitudes autoritárias e violentas desencadeiam situações ainda piores, de confrontação e de transgressão ainda maiores. Proibir, punir ou limitar ações dos filhos, por exemplo, só tem sentido se a situação como um todo for explicada de forma clara a eles para que entendam os motivos destas sanções impostas.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

A ORIGEM DAS COISAS

video
Olá!!!

Nossa amiga Ruana em sua aula de cursinho assistiu esse vídeo, quando ela nos contou ficamos muito interessada nos conceitos discutidos. A pesquisa foi feita por Annie Leonard, o vídeo fala sobre muitos objetos, utensílios, coisas que às vezes que não podemos viver sem, mas retrata o desperdício, o valor do dinheiro, a globalização e até reflete sentimentos que devemos ter, sobre as coisas que descartamos.
O vídeo tem 20 minutos, carrega rapidinho, serve como sugestão para projetos pedagógicos, para aprofundamento em algum componente curricular, ou até mesmo como fonte de pesquisa para algum trabalho escolar. No mais só por curiosidade e informação é válido pra qualquer leitor do nosso blog. 

Dica: Se você tiver o Real Player você pode baixar em seu computador para usá-lo depois - é só arrastar a seta do mouse pra parte superior direita do vídeo, e dá um clique, caso não esse você pode baixar o programa na net ou comprá-lo.
O vídeo também está disponível no You Tube, foi de onde baixamos pra vocês.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

TALENTO, ÉTICA E SUCESSO

 SUCESSO - Desde muito cedo as crianças passam por um processo de imitação. Se espelham nas pessoas que gostam, lembram, que a gente ficava falando que queria ser professora para as meninas e bombeiro e policial para os meninos?

Depois surgem as influências da mídia e os meninos já não querem ser bombeiro, nem policial e as meninas já não querem mais ser professoras. A moda, as propagandas entram na vida de todos, estes agora querem ser e ter o que os atores são e possuem em novelas, filmes, querem ter o estilo de vida dos artistas e os sonhos da juventude são trocados pelos "hérois" que vão surgindo a cada programa, fofoca, furo, agitação e assim a idéia de sucesso e transforma. 

Num programa passado semanas atrás no canal futura chamado: ética, várias foram as opniões apresentadas, mas todas remetiam as mesmas respostas, SUCESSO é: ter dinheiro, mansão, carrão, ser ou uma mulher bonita, aparecer em revistas, ganhar prémios, dá autográfo e para isso não importa ter talento é preciso ter fama por alguma coisa.

TALENTO?
Aqui podemos introduzir a ÉTICA, não importa para alguns como vão obter sucesso, o importante é chegar lá. Nesse mesmo programa uma moça confessa que só não faz matar, nem roubar o dinheiro de ninguém, mas qualquer outra coisa ela faria para ser artista, pois se não conseguir se tornar uma, vai ser infeliz, vai se sentir fracassada. Prefere ser uma mau atriz mais que faça muito sucesso do que o contrário e ainda diz: "Falo o que muita gente não tem coragem de falar" (e não é que é verdade). 
As revistas de fofocas e noticiários só crescem e confirmam esses dados, os "15 minutos de fama" é um letreiro luminoso para ser "tornar um artista" e ter sucesso e o impressionante é que é grande o número de seguidores desses artistas instantâneos.

Hoje em dia é até amendrontador fazer a pergunta: "O que você quer ser quando crescer?"

Num mundo de pessoas tão carentes e repletos de feridas emocionais, Kássia Kiss (é sim tem muito talento para ser atriz) nos lembra: "Faço o que gosto, mas faço porque tenho um objetivo, através do meu trabalho posso contribuir com o mundo, tocando pessoas, mudando pensamentos que podem mudar a forma de ver de uma família, na direção de que coisas melhores possam acontecer. Isso sim é sucesso. 

Sucesso é saber usar o talento que se tem, sendo profissional, sem esperar nada em troca, sem precisar passar por cima de nenhum princípio, se doando e fazendo o que se sabe fazer, se obtém os frutos, contas pagas, um lar pra repousar, uma família, saúde, paz e felicidade plena.


segunda-feira, 1 de agosto de 2011

LIVROS X TECNOLOGIA


 Às vezes nos perguntamos se estamos envelhecendo muito rápido ou são as mudanças que não esperam por ninguém.

Antes de abandonar as fraldas, as crianças já sabem usar muito bem todos os aparatos tecnológicos e quando nos deparamos com perguntas como essa ao lado, observamos que não estamos ficando velhos muito cedo e sim são as necessidades, a concorrência de mercado e a moda que impulsionam cada vez mais o surgimento de novas tecnologias.

Em detrimento com o saber e a sala de aula nos deparamos com grandes desafios como: o uso da tecnologia dentro da sala de aula; o domínio de muitas máquinas para melhorar nosso próprio trabalho, o uso incontrolável em sala de MP3, notebook, pen drive, celular, máquinas digitais etc, pelos próprios alunos e do outro lado está, a comodidade na realização de trabalhos, a produtividade, aprendizagem e percepção dos alunos.

Para abrir essa nova semana e levando em conta algumas publicações sobre esse assunto em nosso blog, queremos saber de vocês: alunos, pais, futuros profissionais e profissionais atuantes na área de educação, quais são os dilemas, as dificuldades, os pontos positivos e negativos, as propostas e todas as experiências vividas.

ESPEREMOS PELO COMENTÁRIO DE VOCÊS PARA UMA BOA CONVERSA, DEBATE E TROCA DE IDÉIAS.

Uma ótima semana a todos!!!

quarta-feira, 27 de julho de 2011

GOVERNO PROMETE OFERECER 75 MIL BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR ATÉ 2014

Em pronunciamento na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), Dilma disse que a preocupação do governo é melhorar a capacitação dos trabalhadores. Foco será engenharia e tecnologia.

O Diálogo Para o Novo Ciclo de Desenvolvimento lançou o Programa Nacional de Ensino Técnico e Capacitação Profissional. "O governo, dentro de uma grande preocupação, não apenas com a capacitação profissional e o ensino médio profissionalizante, está preocupado em formar estudantes que serão nossos futuros cientistas", disse, acrescentando que o Brasil vai usar o recurso usado por outros países, que é o de enviar estudantes ao exterior.

A ideia, explicou, é lançar, até 2014, 75 mil bolsas de estudo para financiar esses estudantes no exterior, particularmente na área de ciências exatas. "Acredito que o setor privado pode comparecer com uma ajuda que nos permita chegar a 100 mil bolsas em 2014. É o desafio que chamo cada um aqui presente", pediu Dilma. 

Hoje, cerca de cinco mil brasileiros estudam no exterior com bolsas concedidas pelo governo em países como França, Alemanha e Estados Unidos. Com a meta do Pronatec de oferecer 75 mil oportunidades até 2014, a expectativa é que 18 mil bolsas sejam distribuidas por ano. 

 Para Dilma Rousseff, a proposta de aumentar o número de brasileiros que estudam fora faz parte do plano de qualificação da mão de obra brasileira, algo que ela considera essencial para o Brasil prosseguir nesse novo ciclo de seu desenvolvimento. 
 ESTAMOS DE OLHO!
FONTE: Emissora de TV NBR, acompanhado ao vivo.